"Já que o mundo se encaminha para um delirante estado de coisas, devemos nos encaminhar para um ponto de vista delirante. Mais vale perecer pelos extremos do que pelas extremidades" Jean Baudrillard

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Incrível! Um MAX WEBER que vocês nunca viram!

O texto publicado em 1908 nos mostra um Max Weber preocupado com análises que combinem a antropologia, a fisiologia, a psicologia experimental e a psicopatologia com a análise sócio-científica do trabalho econômico.


Trechos escolhidos pela equipe do CBS

“Em princípio”, para todos os problemas científico-sociais do trabalho moderno (especialmente na grande indústria), as condições fisiológicas e psicológicas da capacidade de rendimento (para trabalhos concretos) deveriam  representar o ponto de partida da consideração. Não importa sobre o que se assenta a posse ou não posse de uma “capacidade de rendimento” para determinados trabalho em um indivíduo: - portanto, se predisposições herdadas, educação, alimentação ou outros destinos de vida participaram de modo decisivo em seu desenvolvimento - essa sua aptidão para o trabalho sempre se expressa de maneira prática no tipo de economia de trabalho de seu aparato psicofísico. 

“uma verdadeira exposição substantiva começaria ali, onde cessasse o mero cálculo de cifras frequentemente ambíguas e sempre abstratas da contabilidade e se ingressasse na realidade da oficina e olhasse para a cara das pessoas vivas e as máquinas incansáveis. Uma verdadeira exposição substantiva que analisa, sobretudo, a técnica do tear e de seus diferentes modelos, o tipo de exigências criadas por cada um destes e pela qualidade dos materiais (....) depois passasse aos dados pessoais dos trabalhadores e de suas características...”

Nenhum comentário:


Complexidade de um mundo carente de inteligibilidade sobre suas próprias questões...